Blog Esalqueanos

Sagüis Soteropolitanos (Drepo F70)

16/05/2016 - Por eduardo pires castanho filho
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

6960 views 0 Gostei 0 Não gostei


Quando estavam no segundo ano (1967) resolveram ir a Salvador em oito valentes numa Kombi, emprestada pelo pai do Drepo. Eram eles, além do perueiro: Catarina, Mauricinho, Zanaga, Bessa, Fuad, e os veteranos Bidú e Zé Prefeito.
A proposta era ir revezando na direção e não parar, a não ser para o estritamente necessário. Saíram de Piracicaba depois do almoço e pegaram a BR- 116 após a meia noite, em Além Paraíba. Depois foram passando
 por Muriaé, Caratinga, Governador Valadares. Paradas a cada duas horas porque ninguém era de ferro. Na seqüência Teófilo Otoni, Vitória da Conquista, Jequié, e depois Feira de Santana e Salvador. Comprida que só um demônio!

https://fbcdn-sphotos-g-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xlf1/v/t1.0-9/13179420_1021810601187403_2691887252592714625_n.jpg?oh=de53d588930d3fd0a28e537db1a7edf0&oe=57A94F4D&__gda__=1470345942_33caee9b98438025b00bb84706560004


Entre Minas e Baía algo aconteceu com o veículo e foi preciso parar por um bom período para consertar a perua. Isso retardou bastante o “cronograma” da viagem, cuja execução estava a cargo do “veterano” Zé Prefeito.
Logo na chegada a Salvador, depois de dois dias de viagem (com a quebra no meio do caminho), foram dormir na Lagoa do Abaeté, absolutamente desértica na época, onde comeram uma divina peixada feita por um pescador local, e descansaram diretamente nas areias branquíssimas da Lagoa.
A fome, misturada com peixes e legumes, e a magia do local, criou uma especialidade culinária jamais repetida.
Conheceram os pontos turísticos locais, principalmente Mercado Modelo, Pelourinho, Elevador Lacerda, Farol da Barra, Amaralina e Nosso Senhor do Bom Fim. Mas, em oito dentro de uma Kombi, ao sol de Salvador, não havia o que melhorasse muito o humor dos viajantes, que já se dividiam em grupos rivais, cada qual querendo fazer um programa e a Kombi, única.
Participaram de reuniões do movimento estudantil e tiveram muita dificuldade com alojamento, porque havia um congresso na cidade e estava tudo lotado.
Pra comer também não foi nada fácil, já que os restaurantes universitários estavam super lotados e eles eram considerados “bicões”. Quando a coisa ficou muito azedada resolveram que era hora de retornar.
Na volta compraram, além dos inevitáveis berimbaus, dois sagüis na estrada:
Odienta época de contrabando de animais silvestres!
A vingança dos bichinhos veio a galope. Eles acabaram por morder, de uma forma ou de outra, todos os integrantes da “comitiva”, durante os passeios que davam dentro da Kombi.
Ao chegar a Pira tiveram que tomar quase quatro dezenas de injeções nas respectivas barrigas, já que um dos macaquinhos morreu e foi diagnosticado “post mortem” com hidrofobia. O outro sagüi, batizado Bartolomeu, viveu durante quase vinte anos numa fazenda perto de Araçatuba.

Eduardo Pires Castanho Filho (Drepo F70) Engenheiro Agrônomo, Ex morador da Republica do Pau Doce 
PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES