Blog Esalqueanos

Os números da inflação em 2015

14/01/2016 - Por alcides de moura torres junior
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

7515 views 0 Gostei 0 Não gostei

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de dezembro de 2015 apresentou oscilação mensal de 0,96%, aumento de 0,18 ponto percentuais, quando comparado a igual período do ano anterior (figura 1).

Figura 1.

Variação mensal do IPCA nos últimos três anos.

Em 2015, a alta foi de 10,67%, a maior desde 2002, quando o índice subiu 12,53%. Na comparação com 2014 a alta foi de 4,26 pontos percentuais.

Aqui vale destacar que a meta de inflação para o IPCA, índice oficial brasileiro, era de 4,50% ao ano, com piso e teto em 2,50% e 6,50%, respectivamente. Furou.

Em 2015, dos nove grupos de preços pesquisados pelo IBGE e que compõem o IPCA, alimentação e bebidas e o transporte estão entre os que apresentaram os maiores aumentos relativos, com altas de 12,01% e 10,17%, respectivamente.

No transporte, o preço dos combustíveis subiu 24%.

IGP-DI

Assim como o IPCA, o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu em 2015. Medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) o índice registra a inflação de preços desde matérias-primas agrícolas e industriais até bens e serviços finais.

Em dezembro a variação foi de 0,44%, queda de 0,75 pontos percentuais, quando comparado com novembro. Entretanto, a taxa acumulada em 2015 foi de 10,70%, valor 6,92 pontos percentuais maior que em 2014.

Consequências

Foi a primeira vez em 13 anos que a inflação saiu do controle e estourou o teto da meta, que era de 6,50%. Esse descontrole provocou um cenário de desconfiança quanto à economia brasileira, agravado pela crise política fundamentada nas denúncias de corrupção, fazendo com que o país perdesse credibilidade e fosse rebaixado por duas agências de classificação de risco (Fitch e Standard & Poor"s).  

Segundo o relatório Focus do Banco Central (30/12), a expectativa é que o IPCA tenha suba 6,87% em 2016. Dá para acreditar nessa projeção?

Em função disso, a expectativa para o mercado pecuário de corte deixa de ser otimista para ser conservador. Embora a oferta de bovinos não deva aumentar, sustentando os preços, por outro lado o cenário econômico é desanimador e deve afetar negativamente o desempenho setor.

Alcides de Moura Torres Júnior (Scot F76), Engenheiro Agrônomo, é sócio fundador da Scot Consultoria, foi Editor do ARADO, Exímio praticante de Rugby e Remo, Ex Diretor da AAALQ, Presidente do Conselho de Republicas e Assíduo colaborador com inúmeras funções no CALQ  - Ex Morador da Republica Jacarépaguá

Colaborou Isabella Camargo, zootecnista e analista da Scot Consultoria

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES