Blog Esalqueanos

O Jogo do Fatiamento (Capão F85)

13/10/2015 - Por roberto arruda de souza lima
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

7282 views 0 Gostei 0 Não gostei

O Jogo do Fatiamento

 

Se há algo que tem me preocupado é o desejo de fatiamento, de divisão da ESALQ em novas unidades. Em meio aos pensamentos sobre o tema, me ocorreu uma imagem de pura ficção que compartilho a seguir.

small_2015-06-03-0002-01.jpg

Certa feita, o governador do Estado de Nova York acordou preocupado com as dimensões continentais dos Estados Unidos e os problemas que o presidente norte-americano enfrenta. As mais variadas demandas chegam a toda hora em sua mesa, preocupação, o que, na sua opinião, poderiam inviabilizar uma boa gestão. O que seria prioritário: obras para conter inundações e estragos de furacões ao sul, a seca e incêndios na costa oeste ou a onda de frio que estava fechando estradas e aeroportos no nordeste? Como o presidente do pais poderia dar a atenção adequada às demandas do Estado de Nova York? Deveria haver muita ineficiência naquele gigantismo.

Naquele momento o governador teve uma brilhante ideia: por que não separar seu estado dos demais estados? Já era destacadamente o principal centro financeiro e, sem se preocupar em carregar a economia dos demais estados, poderia focar sua competição com os centros financeiros europeus e asiáticos.

Em convincente discurso, mostrou aos demais estados que seria vantajosa a separação. Os Estados Unidos que tinham apenas um voto em organismos internacionais passaria a ter tantos votos quantos forem os estados independentes. Lembrou que diversos novos países haviam surgido na Europa, elevando o número de votos nos organismos internacionais. O governador trouxe o presidente da Sérvia para um interessante depoimento sobre como havia sido importante a divisão da antiga Iugoslávia.

Os demais estados ficaram felizes com a promessa dos ganhos e, conforme acordado, continuariam contando com o apoio de Nova York para os assuntos financeiros. E a separação ocorreu.

Com o passar do tempo, os Estados Unidos descobriram que havia se enfraquecido, assim como o Estado, agora país, de Nova York. Sem a agricultura do Centro-Oeste, a tecnologia das empresas da Costa Oeste, petróleo e tantas outras riquezas, apesar de toda sua reconhecida capacidade, o centro financeiro de Nova York não parecia ser mais tão atrativo, e parte dos capitais se transferiram para Ásia e Europa. Preocupado em manter-se competitivo, não era possível dar o prometido suporte aos demais estados. Nos organismos internacionais, o Estados Unidos, menor, não tinha a mesma voz que China e Rússia (que preferiram não apenas evitar a divisão, mas, ao contrário, até anexaram territórios. Dividido, os problemas permaneceram nos Estados Unidos, mas com menos recursos para solucioná-los. Estados Unidos e Nova York, incompletos, perderam o grau de investimento. Os Estados Unidos lembraram da história de Inglaterra, Holanda e outros países, que abriram mão de colônias fornecedoras de matéria-prima, mas nunca de tecnologia e agregação de valor para manterem-se como potências.

Ao contrário de Politécnica, FFLCH, Pinheiros e São Francisco, que terceirizaram a formação em disciplinas básicas (por exemplo, com auxílio de Institutos de Física e de Biologia), mas mantiveram a formação profissionalizante, o fatiamento da ESALQ será nas áreas profissionalizantes. Não seria mais a ESALQ a responsável pela formação na área de atuação profissional, como se o médico para ser pediatra precisasse cursar as disciplinas ligadas à pediatria fora da faculdade de Medicina. A ESALQ não estaria mais formando o Engenheiro Agrônomo em todas suas atribuições profissionais. Adicionalmente, o conteúdo das disciplinas dessas áreas não seria mais de influência da ESALQ. Assim, tópicos como contabilidade rural, relações trabalhistas (o trabalhador rural difere em muito do urbano), direito agrário, crédito rural, entre outros, não necessariamente receberão a devida atenção.

Assim como a fantasiosa divisão dos Estados Unidos, o fatiamento da ESALQ precisa ser melhor discutido. Não se trata de negar a possibilidade de áreas e pessoas alçarem voos não possíveis na atual estrutura, mas de analisar os impactos sobre a unidade remanescente. Como conversava hoje com importante nome da ESALQ: não torceria contra um convite para que ele fosse Ministro da Agricultura, mas ficaria muito preocupado com o vazio que deixaria na Escola. O fatiamento pode ter defensores com os mais diversos argumentos, mas a ideia não me agrada. O argumento de que todos sairiam ganhando, ESALQ e novas unidades, faz recordar a máxima dos jogos de cartas: "Se após meia hora de jogo você não identificar quem é o pato, é porque você é o pato!"

 

Roberto Arruda de Souza Lima (Capão F85) é Engenheiro Agrônomo, professor da ESALQ. Morou na República Biscoku

 

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES