Blog Esalqueanos

O futuro do café e o café do futuro (BLISKA F83)

15/01/2017 - Por antonio bliska júnior
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

6844 views 0 Gostei 0 Não gostei

Pós relização do evento da ASIC (Associação Científica Internacional do Café) em novembro de 2016 na China, é hora de refletir como evoluirá a cultura, a bebida e o consumidor do café. Para quem participou, uma certeza: a China, com o apetite de seus mais de 1 bilhão de habitantes, tem sede de café. Mas não só de consumir. Também de plantar e, principalmente, de comercializar cafés de qualidade. Tendo o Vietnan como seu vizinho, sócio socialista e fornecedor de café conilon, resta à China plantar um pouco de café arábica, de montanha, que "dará para o gasto" de seu marketing. E depois partir para o mercado brasileiro e comprar café de qualidade. Muito café. Já que a sede de comercializar café não ficará restrita ao seu mercado interno. O objetivo é a Ásia.

Café no aeroporto de Chongqing, CHINA. Foto ABJ 2016.


Café no aeroporto de Chongqing, CHINA. Foto ABJ 2016.

Suas indústrias já estão trabalhando a oferta de produtos variados. De cafés gourmets ao popular café com leite, só que em garrafas pet. De sachets de capuccino a cápsulas para máquinas. E o lado capitalista desse estranho império popular, com grupos de investimento, como o Chongqing Energy Investment Import e Export Co, LTd, que está investindo aproximadamente R$500 milhões no segmento. Ainda durante o evento da Asic, foi lançada a pedra fundamental da construção de uma fábrica de café liofilizado no distrito industrial da 3a maior cidade: Chongqing. Com capacidade para processar 15.000 ton/ano (2/3 liofilizado e o restante em grãos torrados e café concentrado), é mais um passo para incrementar o consumo de café no mercado interno. Hoje resumido a míseros 1% de seu contingente populacional. 

Café com leite. Em embalagem PET. objetivo é popularizar consumo. FOTO ABJ- CHINA 2016


Café com leite. Em embalagem PET. Objetivo é popularizar consumo.
FOTO ABJ- CHINA 2016

No Brasil os cafeicultores tentam se salvar do desastre da seca passada e da crise econômica atual, que patina na política, para vencer o ano. Apesar do espírito de liderança que vive nos corações dos cafeicultores brasileiros, como mostram estudos do IAC e da UNICAMP, o nível de gestão limitado das propriedades cafeeiras, ainda é o principal fator responsável pela baixa competitividade desse setor, expondo-o demais aos menores riscos do mercado. Dados do Deagro da FIESP mostram que a evolução da produção brasileira ocorrerá pelo aumento de produtividade. Mas isso se dará a passos de jabuti. Das atuais 25 sacas de café por hectare, chegaremos em 10 anos a 33 sacas por hectare, fazendo a produção saltar de 49 milhões de sacas na safra atual para 62 milhões em 2016/17. Convenhamos, é muito pouco. Já que as tecnologias atuais, o mercado e a capacidade dos cafeicultores podem ultrapassar facilmente esses números, o que falta para o Brasil superar essas previsões?? A resposta, em nossa análise, se resume a dois problemas: falta de organização, dos empresários rurais (cafeeicultores) e falta de planejamento, do setor público.

Na China podemos vender não somente soja. O café tem muito espaço para crescer. Com a cultura do consumo do chá, que é amplamente disseminada lá, a possibilidade de introdução do café dependerá de marketing estratégico. E não somente na China, mas em toda Ásia. Japão e Coréia são mercados com alto poder aquisitivo. Infelizmente o trabalho de marketing do café brasileiro é no mínimo sofrível, para não dizer outra coisa. Trabalhar cafés especiais será essencial. Garantir incremento de consumo, agregação de valor, estabelecer e consolidar canais diretos de comercialização são oportunidades reais. Senão, Alemanha, Itália e até Colômbia ganharão em cima do café brasileiro mais uma vez. Ou tudo será "made in China".

Consulte:
Gestão de propriedades cafeeiras:http://www.feagri.unicamp.br/migg

Projeção Deagro- Fiesp:http://apps2.fiesp.com.br/outlookDeagro/pt-BR/Publicacao/Cafe/Brasil

Antonio Bliska Júnior (F83)
Eng, Agrônomo. Dr. em Engenharia Agrícola - Unicamp

Editor da Revista Plasticultura

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES