Blog Esalqueanos

Menos Desperdício? (Caixeta)

07/10/2015 - Por josé vicente caixeta filho
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

7389 views 0 Gostei 0 Não gostei


Artigo Originalmente Publicado no Blog Estadão - Para ver o artigo na publicação original clique aqui

O conceito de perdas sempre foi muito abrangente para a agricultura, em particular para a agricultura brasileira.

É clássica aquela comparação – por exemplo – de que tudo que se ganha “dentro da porteira” (maiores produtividades, por exemplo) se perde “depois da porteira”. Talvez a novidade seja que, em comparativos internacionais, quando se convertem os gastos em Reais para US$, realizados com atividades de transporte e de armazenagem, nossos valores (em US$) diminuíram significativamente (quem sabe um dos poucos benefícios dessa tão criticada taxa de câmbio atual?).

De qualquer forma, mesmo em detrimento da pequena oferta de ferrovias e de hidrovias, da não suficiente existência e utilização de estruturas de armazenamento dentro das propriedades – dente outros fatores – perdemos muito!

Nesse sentido, vale destacar o evento ocorrido durante o período compreendido entre 4 e 7 de outubro de 2015, em Roma (Itália), denominado “1º. Congresso Internacional de Prevenção de Perdas Pós-Colheita”. O foco era - portanto - voltado a perdas físicas e não diretamente às perdas econômicas (por mais que – naturalmente – perdas físicas impliquem perdas econômicas).

Caixeta Blog.JPG

Algumas curiosidades:

- parece ter voltado à moda esse tipo de temática (na década de 1970, houve reuniões da FAO e da ONU estipulando metas para a diminuição do nível de perdas pós-colheita para os mais diversos produtos agrícolas: tais metas não foram devidamente monitoradas e, pelas apresentações compartilhadas em Roma, pouca coisa mudou);

- ainda existem alguns números mágicos, tipo 30% de perdas físicas ocorrem durante atividades pós-colheita, sendo o transporte responsável por quase um terço das mesmas;

- há uma relação muito direta entre perdas físicas pós-colheita e o grau de desenvolvimento das regiões: em países pobres localizados na África e mesmo na América Latina (o Brasil sempre é destacado), o nível de incidência de perdas é normalmente mais elevado, ou seja, perdas físicas de alimentos parecem estar intimamente ligadas à pobreza dessas populações;

- o evento teve como organizador principal o ADM Institute for the Prevention of Postharvest Loss, que fica lotado em Urbana-Champaign, no Estado americano de Illinois e que conta com aporte de recursos da trading ADM (Archer-Daniels-Midland Company), que também atua no Brasil;

- os principais patrocinadores/apoiadores do evento foram a Fundação Rockefeller, a Fundação Bill & Melinda Gates e a montadora John Deere;

- houve a apresentação de muitos trabalhos sobre perdas pós-colheita na agricultura brasileira, inclusive por parte de pesquisadores estrangeiros;

- os pesquisadores brasileiros, que por sinal apresentaram excelentes trabalhos, se conheceram no evento;

- novas metas de redução de perdas foram definidas ao final do evento, que contou com representantes de 62 países;

- o Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial da ESALQ/USP (ESALQ-LOG) está iniciando neste mês de outubro um trabalho importante de mensuração dessas perdas na chamada “supply chain” do açúcar (SP e MG) e de grãos (Brasil como um todo).

Tenho certeza que muitos já viram aquele caminhão com grãos escorrendo carga nas estradas ou aquela coleta de frutas e legumes – por parte de determinado segmento da população – nos fins de feira.

Entendo que esses são retratos típicos de nossas condições ainda vigentes, que precisam ser alterados a partir de trabalhos multidisciplinares e que venham a fazer parte da famosa “agenda de Estado” que tanto sonhamos.


* Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho - Graduado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (1984), Mestrado em Economics - University of New England (Austrália, 1989), Doutorado em Engenharia de Transportes pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (1993) e Pós-Doutoramento na Christian-Albrechts Universität zu Kiel (Alemanha, 1994). Coordenador do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (ESALQ-LOG). Diretor da ESALQ no período compreendido entre 2011 e 2014 quando foi também o Presidente do Conselho Consultivo da ADEALQ

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES