Blog Esalqueanos

Logística do Etanol - Mudanças de Infraestrutura (Pituxita)

04/09/2015 - Por thiago guilherme péra
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

8884 views 1 Gostei 0 Não gostei

Artigo originalmente publicado no Jornal da Cana, edição de setembro/2015.

A gestão da cadeia de suprimentos do etanol é responsável pelo planejamento integrado da movimentação dos insumos e produtos, integrando oferta e demanda entre usinas e empresas (fornecedores de insumos agrícolas e de cana-de-açúcar, bases de distribuição, transportadoras etc.) em diversos elos, tendo como atividades básicas: fornecimento, aquisição, conversão e logística.

Particularmente, a logística do etanol envolve o planejamento e operações dos sistemas físicos, informacionais e gerenciais necessários para que combustível chegue ao lugar certo, na hora certa, em condições adequadas e que se gaste o menos possível com isso.

Nesse sentido, a matriz de transporte recebe uma importância fundamental por ser responsável pela fluidez da movimentação de etanol no território nacional, afetando uma série de indicadores - dentre eles, a segurança da via, emissões de gases de efeito estufa, tempo de viagem e custos. De acordo com a Confederação Nacional de Transportes (CNT, 2014), a matriz brasileira de transportes de cargas é composta pela participação do modal rodoviário na ordem de 61,1%; do ferroviário de 20,7%; do aquaviário de 13,6% e dos demais modais (dutoviário e aéreo) com 4,6%.

Especificamente, na logística de distribuição de etanol das usinas e destilarias do setor sucroenergético para as bases de distribuição e portos, existe uma predominância ainda muito grande do modal rodoviário, acima de 90%. Atualmente, a logística de etanol tem passado por algumas mudanças em sua estrutura, decorrência principalmente da entrada da dutovia, a qual já é uma realidade e tem demonstrado uma competitividade para a minimização dos custos logísticos envolvendo um nível de serviço desejável. A Figura 1 ilustra o mapa do projeto hidro-dutoviário de etanol.

Figura 1. Infraestrutura multimodal hidro-dutoviária de etanol projetada

No ano de 2014, segundo dados da Logum, a movimentação de etanol na dutovia foi na ordem de 1,4 milhões de metros cúbicos, sendo que a movimentação em Ribeirão Preto representou 44% do total.

Segundo as informações do Sistema de Informações de Fretes (SIFRECA-ESALQLOG/USP), o indicador do preço de frete rodoviário de etanol de Ribeirão Preto para Paulínia no mês de junho/2015 foi de R$ 50 por metro cúbico, enquanto o frete dutoviário do mesmo trecho é na ordem de R$ 24 por metro cúbico, uma economia de 52%.

Em um estudo recente desenvolvido pelo Grupo ESALQ-LOG, o custo médio de transporte de etanol no Centro-Sul brasileiro é na ordem de R$ 71,70 e R$ 68,45 por metro cúbico para etanol hidratado e anidro, respectivamente.  A expectativa que se tenha para um cenário de longo prazo (2020) é que esses custos venham a ter reduções acima de 20%, com a entrada completa do sistema duto-hidrovia para a logística do etanol, o qual pretende movimentar cerca de 20 milhões de metros cúbicos. O grande fator de competitividade no transporte multimodal é a paridade dos custos logísticos entre rodovia, hidrovia e dutovia.

Os principais desafios da logística do etanol dizem respeito às melhorias nas distribuições de etanol em regiões mais remotas com um déficit muito grande de infraestrutura e que tenham uma alta dependência do modal rodoviário em rotas de longas distâncias, afetando fortemente a competitividade do produto. Mais ainda, é buscar economias de escalas logísticas compatíveis às observadas com os derivados do petróleo.

O Grupo ESALQ-LOG da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, dentre outras atividades, realiza levantamentos contínuos de informações de fretes rodoviários de produtos do agronegócio, em todo o território brasileiro, através do Sistema de Informações de Fretes (SIFRECA- ESALQ-LOG/USP), bem como projetos de pesquisa no ambiente da logística. Maiores informações em: http://esalqlog.esalq.usp.br/

Autores

Thiago Guilherme Péra (Pituxita) é engenheiro agrônomo formado pela ESALQ-USP (2012), mestrando em Engenharia de Sistemas Logísticos pela Escola Politécnica da USP e coordenador do Grupo ESALQ-LOG.

Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho - Graduado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (1984), Mestrado em Economics - University of New England (Austrália, 1989), Doutorado em Engenharia de Transportes pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (1993) e Pós-Doutoramento na Christian-Albrechts Universität zu Kiel (Alemanha, 1994). Coordenador do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (ESALQ-LOG). Diretor da ESALQ no período compreendido entre 2011 e 2014 quando foi também o Presidente do Conselho Consultivo da ADEALQ

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES