Blog Esalqueanos

Grupo Escolar Dom Pedro II (Pinduca F68)

16/12/2015 - Por marcio joão scaléa
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

2832 views 0 Gostei 0 Não gostei

sertraline and alcohol effects

sertraline and alcohol hangover


Naquela época não tinha esse negócio de Maternal, Jardim 1, Jardim 2, Pré Primário. Não sei bem se naquela época ou naquela parte do mundo onde o Menino nasceu e foi criado. Os pequenos ficavam em casa até os seis anos. Aos sete iam para o Grupo Escolar, o que era um choque para as crianças, que passavam a conhecer o mundo alem dos limites do olhar materno. E preocupação para as mães, que começavam a partir daí uma feroz batalha para manter a criança sob seu domínio e influência. O que sem dúvida era mais fácil do que manter hoje uma criança ao abrigo do merchandising da Xuxa. Sinal dos tempos.

 

Com o Menino não foi diferente, e ele cursou o primeiro ano primário sem sobressaltos, graças à sua primeira professora, D.Maria Cândida, muito tranqüila e pacienciosa. Ao passar para o segundo ano, o contacto com a nova professora, D. Terezinha, já não foi tão suave. De idade avançada, voz esganiçada e muito rígida, sua fama corria o bairro. Este era o diálogo mais ouvido entre a meninada, logo após a matrícula :

 

- Quem vai ser sua professora?

- D.Terezinha.

- Ihhhh, coitado!

 

No primeiro dia de aula, tensão. Fila formada no pátio, entrada na sala, cada um sentando não onde queria, mas onde ela mandava : menores na frente, maiores no meio, repetentes e marmanjos lá atrás. Depois do "Pelo Sinal" e das orações, longo discurso, o Menino suava na primeira fila, logo abaixo do olhar fuzilante da senhora, profundamente arrependido de ter passado de ano. De repente aquele olhar fuzilante dirigiu-se ao Menino, e D. Terezinha encerrou a falação, convocando-o para a frente da lousa, onde ela explicou para a classe o seu sistema pedagógico.

 

Nas segundas e quintas feiras, verificação do uniforme : sapato preto, meias ¾  brancas, calça azul marinho (conforme a estatura do cristão, curtas ou compridas) e camisa branca com o nome do Grupo Escolar D. Pedro II bordado no bolso. Nos outros dias eram tolerados alguns deslizes menores. Sorte do Menino, pois seu pai era alfaiate e caprichara na roupa, e o bordado feito por sua mãe, bordadeira profissional, estava perfeito. Azar do Menino, pois essa exposição lhe valeu incontáveis coques na cabeça por parte da turma do fundo da sala.

 

Aos sábados, verificação da higiene pessoal nos dentes, unhas, pescoço, orelhas e cabeça : a presença de piolhos era motivo de cólera e suspensão. O que era um problema para o Menino, pois sábado era dia de banho, e foi preciso desenvolver uma estratégia para não incorrer na ira da venerável senhora : dois banhos semanais, um na sexta, pré vistoria, e outro no sábado, véspera de domingo e de missa.

 

Mas o mais importante era que D. Terezinha nomeava um assistente, que teria a honra de, durante todos os santos dias de aula daquele ano, prestar-lhe suporte, ajudá-la. O Menino não sabe ao certo se por sua cara de tonto, se pelo uniforme impecável (mérito de sêo Lázaro e de D.Adelina) ou se pelo pavor estampado em sua fisionomia durante a preleção, ele fora escolhido como o serviçal, cujas tarefas incluíam : i)verificar a arrumação das carteiras e apagar a lousa antes da aula e após o intervalo (o que equivalia a lhe surrupiar preciosos minutos de brincadeira no pátio); ii) recolher os cadernos da classe, quando solicitado pela professora, assim como distribuí-los após correções e anotações; iii) após as orações e antes do início das aulas, trazer para a professora os seus chinelos e guarda-pó, assim como recolher seus sapatos, casaco e bolsa, guardando-os no armário do fundo da sala. O que lhe valeu mais coques na cabeça, alguns apelidos desairosos e o desprezo por boa parte da mesma turminha do fundo.

 

Como se viu, o Grupo Escolar Dom Pedro II foi muito importante na formação do Menino, não só pelos ensinamentos formais, mas também e principalmente pela lição de vida. Disciplina, horários, tarefas e o conviver com marmanjos e repetentes, tomar os coques na cabeça e mesmo assim ajudá-los a aprender e a passar de ano, foi-lhe de extrema valia naquela época e pela vida afora, talvez até inconscientemente guiando-o em sua carreira profissional. Conviver com a rigidez religiosa, fé católica pregada na escola, tendo origem num lar com fortes tendências espiritualistas, também foi algo que lhe ensinou muito : o mesmo Deus pode ser alcançado pelas mais diversas vias, todas elas corretas e aceitáveis, devendo ser profundamente respeitadas.

 

Mas a maior felicidade em estudar no Grupo Escolar era não ter que usar o uniforme ridículo de uma escola próxima, freqüentada por gente mais abastada, o Externato Assis Pacheco, com suas camisas cor de rosa...

Marcio Joao Scaléa (Pinduca F68) é Engenheiro Agrônomo ex morador da Republica Mosteiro

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES