Blog Esalqueanos

Esverdeando a pecuária brasileira (Xinai F11)

29/02/2016 - Por willian jun kimura
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

7471 views 0 Gostei 0 Não gostei

Como essa atividade, que é vista por muitos como "vilã" nas questões ambientais, pode ajudar o Brasil a cumprir as metas de redução de Gases de Efeitos Estufa (GEE) e, ainda, aliviar o bolso do produtor brasileiro?

Não é preciso navegar muito pela internet para saber que o sistema produtivo da pecuária brasileira, em geral, está longe do ideal: emissões de GEE, pastagens degradadas, desmatamentos relacionados à atividade, baixas produtividades (taxa de lotação) e por aí vai.

Das dificuldades às oportunidades.

Em 2012, a agropecuária foi responsável pela maior parte das nossas emissões, representando 37% do total de 1,2 bilhão de tCO2e. Neste mesmo ano, a fermentação entérica, maior parte produzida pela pecuária, representou mais da metade desse valor[1].

No entanto, com o compromisso de reduzir as emissões em 43% até 2030 (COP 21)[2], o cenário tende a mudar. O governo pretende fortalecer o Plano Agricultura de Baixo Carbono (ABC) e recuperar mais 15 milhões de hectares de pastagem até 2030, além dos outros 15 já firmados no início do Plano. Toda essa recuperação pode levar a uma redução de mais de 200 milhões de tCO2e[3].

Um trabalho recém-publicado[4] mostra que, com uma política forte de desmatamento, um aumento na demanda de carne em 30% pode reduzir as emissões relacionadas à produção pecuária em 10%, devido principalmente à recuperação da pastagem - prática escolhida pelo produtor para maximizar seu retorno econômico, nessa condição.

Além disso, a recuperação de pastagem possibilita o aumento na taxa de lotação e um maior retorno ao produtor. Estudos[5][6] mostram um custo marginal de abatimento (quanto custa para mitigar 1 tCO2e através de uma medida de mitigação) entre -1,47 e -28,68 R$/tCO2e.

Ou seja, a cada uma tonelada de GEE mitigado pela recuperação de pastagem, o produtor teria um resultado financeiro de R$ 1,47 a R$ 28,68 (valores em reais de 2015)[7] a mais do que se continuasse com uma pecuária em pastagem degradada. Isso sem contabilizar uma possível comercialização de créditos de carbono (hoje podendo chegar a USD 4,75/ tCO2e no mercado voluntário[8]).

Então por que cortar o braço se é o dedo que está machucado? Para as preocupações da pecuária, aparentemente, o fortalecimento de políticas de combate ao desmatamento e incentivos à recuperação da pastagem se mostram mais efetivos que retirar a carne do menu das segundas-feiras[9].

P.S.: Politicamente, não adianta todo esse esforço se nosso inventário ainda considera que todo pasto é igual.[10]

Nota: As informações e opiniões expressas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Willian Kimura (Xinai F 2011) Engenheiro Agrônomo com MBA em Agronegócio. Pesquisador em Agroicone. Ex-Morador da República Pinga Pura.



[6] Kimura, W.J. (2015). Custo marginal de abatimento de emissões de gases de efeito estufa na recuperação da pastagem via Programa     ABC. Monografia (MBA em Agronegócios) - ESALQ/USP - Piracicaba. (Solicitar o trabalho via e-mail: willian@agroicone.com.br)


PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES