Blog Esalqueanos

Desafios Nutricionais na Alimentação Mundial (Kusca; F84)

08/12/2018 - Por marcos sawaya jank
672 views 0 Gostei 0 Não gostei

Desafios Nutricionais na Alimentação Mundial 

 

Jornal “Folha de São Paulo”, Caderno Mercado, 08/12/2018

 

Marcos Sawaya Jank (*)

 

Notícia positiva da redução da fome é sombreada por má nutrição e obesidade.

 

Na semana passada, participei em Bangkok de um evento global sobre como acelerar a redução da fome e da má nutrição no mundo, promovido pela FAO e pelo IFPRI (International Food Policy Research Institute) —um think tank que conta com 570 pesquisadores atuando em cerca de 60 países e altamente especializado nesse tema.

 

Aqui vão os pontos que julguei mais importantes para reflexão e debate:

 

1. Houve progresso na redução da fome, mas ainda temos 820 milhões de pessoas desnutridas no planeta. Felizmente a desnutrição infantil está caindo em quase todo o mundo, com a triste exceção do continente africano.

 

2. Ao mesmo tempo, já contamos com 2,1 bilhões de pessoas com sobrepeso ou obesidade no mundo, ante 857 milhões em 1980. A obesidade e as doenças crônicas que a acompanham infelizmente crescem a passos largos no mundo, em adultos e em crianças, principalmente nos países ricos.

 

3. Em outras palavras, os problemas da fome e da má nutrição estão espalhados pelo planeta. Grosso modo, os mais pobres comem mal porque não têm recursos. Os mais ricos comem mal por não ter tempo e insistir nas escolhas erradas.

 

4. Estudos mostram que nas últimas quatro décadas o preço dos carboidratos (cereais básicos e açúcar) cresceu menos do que os preços das proteínas (carnes, lácteos, ovos e leguminosas) e das frutas e vegetais. O menor custo relativo dos carboidratos é uma das razões que dificultam a troca de dietas ricas em energia por dietas ricas em proteínas e fibras. Além disso, a baixa produtividade, combinada com proteções de fronteira, torna as proteínas animais ainda mais caras em muitos países. Por exemplo, o frango e a carne bovina são 35% a 55% mais caros para os consumidores da China e da Indonésia em relação ao Brasil.

 

5. Outro fator que dificulta o consumo de proteínas animais, frutas e vegetais nos países em desenvolvimento é a sua perecibilidade, que demanda refrigeração, leia-se, energia elétrica. Somente 33% dos lares têm geladeiras na Indonésia. Na Índia, são 24%. Sem uma cadeia fria eficiente e estável, é difícil o varejo moderno e os produtos perecíveis prosperarem.

 

6. Por isso, muitas indústrias alimentares lucram vendendo comidas não perecíveis, excessivamente energéticas, de baixo custo e facilmente acessíveis. É calamitoso ver como tem crescido o consumo de refrigerantes gasosos, salgadinhos (snacks), bolachas e outros produtos menos saudáveis nas populações mais pobres dos países em desenvolvimento.

 

7. Nas áreas urbanas, a comida mais barata, acessível e conveniente tende hoje a ser a menos saudável, principalmente em ambientes com pouca diversidade e qualidade de dietas. Vale lembrar que, em 2050, dois terços da população mundial vão viver em cidades, ante 54% hoje.

 

Infelizmente a notícia positiva da redução da fome tem sido sombreada pelos problemas crônicos oriundos da má nutrição e da obesidade. 

 

Nesse sentido, é fundamental melhorar o diálogo entre os agentes do sistema agroalimentar e a comunidade engajada em nutrição e saúde. Poucas empresas participaram do evento FAO-IFPRI na Tailândia e algumas me disseram que o diálogo tem sido pobre e conflitivo. Em outras áreas do agronegócio, como sustentabilidade, mudança do clima e sanidade, temos visto um diálogo mais regular e construtivo.

 

Saúde e nutrição são a própria “razão de ser” da agricultura, da indústria de alimentos, dos canais de distribuição e da política alimentar. A projeção que o Brasil alcançou em vários produtos do agronegócio nos obriga a participar desse oportuno e caloroso debate mundial.


(*) Marcos Sawaya Jank (Kusca;F84) é engenheiro-agrônomo e especialista em questões globais do agronegócio. Escreve aos sábados, a cada duas semanas. Ex Morador da República Kbana

PUBLICIDADE
APOIADORES