Blog Esalqueanos

Capoeira (Pinduca F68)

16/11/2015 - Por marcio joão scaléa
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

3084 views 0 Gostei 0 Não gostei


Graças à viagem a Salvador, o Universitário sabia dar uns toques no berimbau, assim como ensaiar alguns passos de capoeira. Mas nem de longe imaginava o quanto isso podia ser perigoso.

 

Como diretor do departamento de Estágios do Centro Acadêmico Luiz de Queiroz, o Universitário frequentemente viajava a São Paulo, para atividades ligadas à obtenção de vagas de estágios para os estudantes de agronomia. Naquele dia ele saíra bem cedo, aproveitando um veículo da escola que ia buscar uma pessoa na Capital, e lá pelo fim da tarde já tinha resolvido seus assuntos, tomando um ônibus de volta para Piracicaba, onde chegou de noite. Após rápida passagem pela República Real Mosteiro da Imaculada Conceição, onde morava, ele foi para outra república, o Vai Kem Ké, onde estava acontecendo uma festa.

 

Perto da meia noite, todo mundo já um pouco alto, apareceu o Turcão, ex morador do Vai Kem Ké, colega de turma e amigo chegado, que fazia a faculdade de Economia à noite, saindo da aula para aproveitar o finzinho da festa. Como o apelido indicava, o Turcão era grande e forte, mas dotado de um temperamento boníssimo, calmo e tranqüilo como poucos. Ele gostava de uma brincadeira inocente, indo na direção de algum colega, ameaçando-o com um golpe, tipo de um chute ou coice, como se fosse karatê, mas em câmera lenta, o que dava ao amigo a chance de se esquivar e sair com outro golpe parecido, como resposta, mas sem sequer se tocarem.

 

O Universitário entrava na vasta sala da republica, quando foi alertado pelo próprio Turcão, que gritou :"Olha o golpe". A reação foi muito rápida, pois ao se virar, o Universitário viu o pé do Turcão vindo na direção de seu peito e jogou-se ao chão, dando uma rasteira no colega, que se equilibrava em uma só perna e acabou caindo pesadamente. Correria, risadas, todos ajudavam o Turcão a se levantar, mas ele tinha dificuldade e reclamava de fortes dores nos braços, que todos consideravam normais e passageiras, pelo tombo.

 

Mais tarde, como as dores não paravam, começando a aparecer um inchaço, o colega foi levado a um hospital, onde lhe engessaram os dois braços, quebrados na brincadeira!


Marcio Joao Scaléa (Pinduca F68) é Engenheiro Agrônomo ex morador da Republica Mosteiro

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES