Blog Esalqueanos

All Encarnados (Pikira F87)

17/02/2016 - Por cesar figueiredo de mello barros
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

3581 views 0 Gostei 0 Não gostei

ventolin and proair

ventolin vs proair

Aqui na paróquia, o que dava prestigio era o basquete e só. Perna e braço de pau, tinha muito fôlego, fui medalha de bronze nos Colegiais e ouro nos Jogos da Primavera, nos 50 e 100 metros de peito (chamado “nado clássico” naquelas eras); me esforcei como levantador do vôlei, ala no hand e no salão, disputei os 1500 rasos e fui tricampeão do xadrez até me tornar  um razoável lateral esquerdo do futebol Canindé (aqui conhecido como chacrobol) com muita disposição, pouca habilidade e algo desleal com atacantes velozes.

Já escolado por um semestre na cosmopolita Espirito Santo do Pinhal, nem me matriculei em Educação Fisica, no 10º semestre o Tito  e o Calderon quebraram meu galho “tenho um emprego arrumado em Aparecida do Taboado, vê o dá pra fazer”, era quase verdade, dois pares da indústria local ajudaram.

Cheguei a ir a um treino de beisebol com o pessoal da Karkará (“3 japas, eu, e 3 normais”, na cruel autodefinição do boliviano Golpe. Alias normal mesmo só o Mau da Tulipa e o Folgado, porque Rota  era literalmente faixa-preta, de Gardenal pra cima), Pokoloko e Pingapura em peso, só tinha o Gandhi de nacional, incluso o equipamento; infelizmente não logrei entender a beleza de um esporte em que a bola vai pra um lado e o atleta corre pro outro, (o Gandhi foi segundo lugar da Fuvest, certamente compreendeu). Não me empolguei.

Continuei nas laterais, fui grande adepto do futiba sem anti-doping de quarta feira no laguinho Santa Rosa, junto com a paulistanada da Vila Independencia; fomos desancados pelo Gera, seu irmão Dunga e o Casemiro num tal “futebolandarilho” (correr era falta) que inventamos e praticamos algumas vezes lá nos campinhos do ginásio, até fui da AAALQ, só o Kibe e a Eike do alemão Jorg (atual sra. Lister P. Duarte) frequentaram a piscina mais do eu, o Bambu (maior diretor que a ESALQ já teve, F87 ainda por cima) prometeu reformar, podem crer.

Agronomíades, só a de João Pessoa daria um livro (escrevo um texto na próxima); Jaboti-caba, 4 garrafas de Presidente em 3, eu, Pipino e Jabuti; Pin-Pira, SaPo Magro, Baxarel x Baxaria; memoráveis embates. Mas foi só.

Até que um belo dia de 87, Quase veio empolgado, “o bixo RG vai reativar o rugby da gloriosa, é um esporte de força, esforço e camaradagem, você nasceu pra isso Pikira”, os irmãos dele jogavam na Lusa, acho que chegaram à seleção paulista “ainda tem o tal de terceiro tempo, os dois times enchem a cara juntos, harmonia total, a disputa fica no campo”, o pessoal antigo da Avarandado havia jogado, Bugiu e o Gigi também, haviam tecido loas e boas. Achei interessante, fomos pro treino, lá no campão do ginásio.

Um monte de bixos grandes,  explicaram as regras mais ou menos, ensaiaram o “scrumb” aquele bolinho de gente a cada tantas jardas de avanço, bufaram na minha orelha, disseram depois que o costume meio gay é morder, sei lá se isso presta; a Avarandado dava meio time, dois pilares de respeito, Kabra e Fango, eu o Paca e o Quase, atleta- treinador, o Suruba e o chileno Cura também tinham noção, o tambem chileno Pinochet- parece que é esporte popular por lá, ao lado de fazer vinhos Carmenere e classificar terremotos-um verdadeiro tanque de guerra, atacante temível do time do RG, adversário.

E logo no começo ele veio com a oval (pelota, hexagonal, sei lá como se refere a aquilo), ali pela meia direita, derrubando todo mundo à sua frente, qual bola de boliche fazendo “strike”- outro esporte interessante, se joga tomando cerveja- pisou no meu pé, sobre “mi dedo gordo” e arremessou Robert Glenn (o Suruba, nome e educação de ator inglês perdido na Cortiço) a algumas jardas de distância, de costas e sem fala. Demorou minutos que pareceram séculos para ser reanimado, achamos que ficaria meio xarope, preocupou. Deprimiu todo mundo, acabou com o treino.

O tal “dedo gordo” do pé direito, irremediavelmente fraturado, mal encanado no “Hospital dos Plantadores de Cana”, até hoje é torto, mas ajuda nas previsões de geada (costuma doer antes da chegada das massas polares). Sacado do time, acompanhei todo o Inter-USP em São Carlos sem sair do Bar do Garça, a poucos passos da casa da D. Zoé, simpatisíssima avó do Gibóia, onde ficamos hospedados e muito bem alimentados.  O time de rugby tomou umas goleadas (?) naqueles jogos, depois se recuperou, está ai até hoje, o Pinochet abandonou a escola, montou uma empresa de segurança de eventos e ganhou um bom dinheiro antes de voltar pro Chile, todo mundo se formou, entre mortos e feridos se salvaram todos. Só não sei do Suruba, por onde anda?

Cesar Figueiredo de Mello Barros (Pikira F87) Engenheiro Agrônomo, Ex Morador da Republica Avarandado

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES