Blog Esalqueanos

AGROdestaque entrevista Danilo Belia Kashiwakura, engenheiro agrônomo (F-2004)

06/09/2016 - Por danilo belia kashiwakura
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

8590 views 1 Gostei 0 Não gostei

lexapro pregnancy class

lexapro pregnancy risk inetapakistan.azurewebsites.net

Atuação profissional

Formei-me em Engenharia Agronômica, no ano de 2004. Fui trainee da Monsanto na área comercial, fazendo estágio profissionalizante, no meu último ano de graduação. Iniciei com RTV em sementes de milho, na região sul do país. Fiquei na Monsanto por sete anos, período no qual tive oportunidade de morar em quatro cidades, em áreas diferentes como marketing, comercial, e, nos últimos anos, na captura de valor da tecnologia RR em soja, na região de Toledo (PR).

Em 2012, ingressei na Bayer, onde estou atualmente. Iniciei no gerenciamento da linha de herbicidas em grandes culturas como soja e algodão. Depois disso, assumi a gerência de estratégia para as culturas de trigo e arroz. Desde 2014, sou responsável pelo marketing estratégico para as culturas de milho e feijão, no Brasil.

A que área ou setor se dedica atualmente? Descreva as atribuições do cargo que ocupa. Qual a importância delas para o mercado?

Atualmente, sou responsável pelo marketing estratégico para as culturas de milho e feijão no Brasil. Minhas responsabilidades envolvem trabalhar a estratégia para essas culturas, observando o médio e longo prazo, lançamentos de produtos, precificação, campanhas de marketing, olhar o portfólio e ver gaps.

Acredito que a minha contribuição e meu desafio diário seja com o nosso produtor. Como ofertar para ele soluções mais ajustadas, produtos inovadores e atender suas necessidades de produzir mais e de forma mais sustentável. É isso que me faz acordar todos os dias e é isso que acho que é importante para o mercado.

Quais os principais desafios desse setor?

O grande desafio do setor é entender a dinâmica de um ambiente tropical e suas interferências, fazer com que nossas mensagens cheguem até o produtor rural e que todos pensem juntos em como ter sustentabilidade de produtos e de soluções para o sistema.

Que tipo de profissional esse mercado espera?

O mercado espera um profissional dinâmico, com alta capacidade a adaptação e leitura de cenários. Além disso, a capacidade de conexão é importante nesta complexidade que vivemos.

Entrevista concedida a Alessandra Postali, estagiária de Jornalismo
27/08/15
Fonte: Site ESALQ 

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES