Blog Esalqueanos

A robótica nas lavouras

02/08/2022 - Por marco lorenzzo cunali ripoli
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

289 views 1 Gostei 0 Não gostei

Empresas nos quatro cantos do mundo vem cada vez mais trazendo soluções em Inteligência Artificial e SaaS (software como serviço) para o agronegócio.  Várias delas se encontram no Brasil, muitas vezes fundadas por engenheiros agrônomos, mecânicos, eletrônicos etc.

O foco hoje é nas plataformas digitais de inteligência artificial para o campo (como a Alice AI) e equipamentos robotizados, como o robô voltado a produção agrícola em larga escala chamado Solix.  Estas plataformas contam com uma quantidade de dados do agronômicos de mais de 10 bilhões de informações do campo por dia.  

Com este volume de dados e utilizando-se de Machine Learning, o algoritmo desenvolvido calcula o melhor caminho, a melhor prática, o que está dando certo, e indica ao produtor rural quando e como agir, do pré-plantio à pós-colheita, ajudando na tomada de decisões em logística, gestão, rastreabilidade, agronomia e robótica.  Alguns destes equipamentos já são movidos a energia solar, contribuindo na redução do consumo de combustíveis fosseis reduzindo o impacto ambiental e social.

Plataformas inteligentes indicam qual o melhor momento para realizar cada operação, direcionando insumos, equipamentos, maquinários e mão de obra com total autonomia.   A tecnologia promove o uso racional de agroquímicos, assegura a saúde do solo e viabiliza a agricultura de baixo carbono.

Com base na inteligência artificial o Solix funciona como os “olhos” da plataforma dentro das lavouras. O robô, desenvolvido em pouco mais de três anos, é completamente autônomo, se movimentando por toda a fazenda, sem necessitar de controle humano.  E como isso foi possível?

A tecnologia utiliza dois métodos de condução: um GPS de altíssima precisão (RTK), que o permite seguir linhas previamente programadas, e o outro de câmeras e visão computacional, que identifica onde está a cultura.  O equipamento é direcionado pela inteligência artificial, que calcula o trajeto mais eficiente e o momento ideal para realizar as operações onde é necessário.  De acordo com o fabricante, a recomendação é de robô para cada 200 hectares, com capacidade de monitorar 14 milhões de plantas por semana.

 

A plataforma robótica possui 5 metros quadrados (2,5 x 2,0 m) é capaz de monitorar planta a planta, possibilitando a descoberta de pragas e doenças ainda em seu estágio inicial, promovendo o controle mais rápido e com menor utilização de defensivos.

O robô captura imagens das áreas (e plantas) utilizando câmeras e sensores multiespectrais e a partir daí identifica pragas, doenças, qualidade do cultivo, analisar a nutrição e a saúde da planta e entregar essas informações para a Alice AI, que faz uma análise e dá uma recomendação de manejo para o produtor.  Por fim, após o manejo, o robô escaneia novamente a área e informa se a operação foi bem-sucedida e se trouxe os resultados esperados.

Estima-se que a redução do uso de insumos químicos nas lavouras possa chegar a 30%, no caso de defensivos e fertilizantes, e a até 70%, quanto aos inseticidas, caso a praga seja identificada no estágio inicial.  

Todo este aparato ainda evita a compactação do solo, pois fornece mapas de ação com base nas condições de cada planta viabilizando o uso de máquinas menores para pulverizar apenas as áreas necessárias.  Adicional a isso, robô será equipado com um sensor de compactação do solo para fazer as recomendações necessárias e evitar o agravamento do problema.

Movido a energia solar, o Solix, neste caso, carrega durante o dia e trabalha à noite, equipado com baterias que são suficientes três dias de trabalho sem recarregar, na ausência de incidência de luz solar.

Todo este sistema de soluções foi primeiramente lançado para lavouras de grãos devido à demanda mundial por alimentos. A expectativa é que entre um milhão e 1,5 milhão de hectares de grãos poderão ser monitorados em um ano.  Até o fim de 2022, a previsão é que ocorra a pré-venda do Solix também para cana-de-açúcar.

O Agro não para!

 

Marco Lorenzzo Cunali Ripoli, Ph.D. é Engenheiro Agrônomo e Mestre em Máquinas Agrícolas pela ESALQ-USP e Doutor em Energia na Agricultura pela UNESP, fundador do “O Agro não Para” e proprietário da BIOENERGY Consultoria e investidor em empresas.  Acesse www.marcoripoli.com  

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES