Blog Esalqueanos

A curva de sobrevivência das tecnologias na agricultura.

01/03/2021 - Por evaldo kazushi takizawa
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

1293 views 2 Gostei 0 Não gostei

A tecnologia na agricultura definida como a aplicação prática do conhecimento científico ou uma coleção de técnicas utilizando-se de recursos inventados pelo homem e combinados com a natureza para chegar aos produtos agrícolas da colheita.

 

Neste contexto há muitos elementos entre os recursos produzidos pela humanidade utilizados na agricultura e várias delas perduram durante milênios, enquanto outras tem uma vida efêmera.

 

Quando uma nova técnica surge e torna-se disponível aos agricultores cabe uma reflexão sobre a taxa de sobrevivência e como ela se comporta ao longo do tempo, como muitas técnicas no início podem comportar-se com taxas de falhas maiores e reduzindo com o tempo e outras técnicas podem agir totalmente inversamente com poucos erros no início e com o desgaste do tempo aumentando os erros.

 

Um exemplo de técnica que inicialmente garante bons resultados é a adubação com fertilizantes minerais convencionais em solos pouco corrigidos quimicamente e a medida que uma monocultura se estabelece os resultados da adubação passam a ser cada vez menores.

 

No Cerrado brasileiro os primeitos 20 anos desde a abertura foi incrível os resultados com as fosfatagens e potassagens e hoje nestas mesmas áreas onde o agricultor aplicou todas a boas práticas agronômicas a resposta a essas adubações estão muito aquém das escalas dos ganhos iniciais.

 

A técnica para ilustrar uma situação com grandes falhas iniciais e posteriormente houve uma evolução no Cerrado brasileiro foi a qualidade da semeadura, onde no princípio as sementes de soja e milho eram distribuídas sem nenhuma preocupação de singularização e agora os cuidados para evitar sementes duplas chega a quase ser uma paranóia.

 

Este ciclo de erros e acertos garante a longevidade de cada uma das técnicas oferecidas a disposição do agricultor, uma grande omissão dos desenvolvedores de novas tecnologias é não mensurar o impacto negativo por problemas destas tecnologias ou por mau uso dela quando o trabalho de educação e treinamento não passou por todas as etapas da conscientização.

 

Para todos os desenvolvedores de novas tecnologias para agricultura faço uma provocação, antes de procurar seduzir o agricultor sobre as vantagens de seu produto, advogando sempre em prol delas, deixe o próprio agricultor decidir, comparando os benefícios versus os prejuízos oferecidos pela nova tecnologia e para isso auxiliar o agricultor relacionando uma perda para cada ganho potencial.

 

Guaimbê (Evaldo Kazushi Takizawa) – Engenheiro agrônomo F90.

Ex-morador da república SS Pau Torto.

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES