Blog Esalqueanos

Fui sabotada por dois, e agora?! (Iskrépi; F-11)

07/12/2022 - Por luciana okazaki
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

354 views 2 Gostei 0 Não gostei

Foram 4 meses intensivos de sabotagem, ou melhor, de autossabotagem. O Controlador e o Esquivo tomaram conta da minha mente nesta reta final de 2022. Se lembra do último artigo que escrevi sobre procrastinação? Ao final dele usei uma ironia, que acabou se concretizando. ¯\_(?)_/¯

 

Se você nunca ouviu falar em Sabotadores Mentais, vou te explicar: eles são os nossos inimigos internos. Os sabotadores são um conjunto de padrões mentais automáticos e habituais que trabalham contra o que é melhor para nós. Eles têm base em crenças internas (que as vezes estão escondidas no nosso subconsciente) e até possuem uma voz própria (já ouviu aquela vozinha na sua cabeça te dizendo o contrário do que você precisa fazer? São eles!).

 

A procrastinação pode estar ligada ao perfeccionismo - como eu expliquei no meu último artigo - mas também pode ser resultado do seu sabotador mental O Esquivo. Vou te contar um pouco sobre ele: sua principal característica é a fuga dos conflitos e tarefas difíceis ou desagradáveis. O foco acaba ficando no positivo e no agradável de forma extrema.

 

Imagine que você tenha que escrever um relatório e entregá-lo no prazo de uma semana. No primeiro dia você está cansada e decide fazer no dia seguinte. Chega o dia seguinte, você tem preguiça e pensa "isso é muito chato, faço outra hora". E o relatório vai ficando sempre para depois, até que de repente você se dá conta de que é véspera do prazo e você não redigiu nem uma palavra. Quem se identifica com esse exemplo?

 

Talvez você tenha vivido uma infância extremamente feliz e não tenha aprendido a lidar com emoções difíceis. Ou talvez, você tenha vivido uma infância com tantos conflitos e tensões que tenha aprendido a justamente fugir destas dificuldades. Em ambos os casos, o Esquivo tinha uma função original de ´sobrevivência´ da criança. Porém, você cresceu e ele continuou a viver em você.

 

É tão comum ele aparecer no seu campo mental, que você nem se questiona mais. Nem busca olhar para ele. Os sentimentos que o Esquivo traz são conflitantes: as vezes você se sente em paz pelo conflito evitado e pensa que está numa zona de equilíbrio. Mas aí sente ansiedade pelo que foi procrastinado. Reprime raiva e ressentimento. Suas emoções viram um caldeirão em ebulição e você vai pirando.

 

Foi isso que aconteceu comigo neste período. Eu havia me proposto a escrever periodicamente. Porém, acabei focando nos meus atendimentos e esta função sempre ficava para depois. Apesar de amar a escrita, estava desafiador encontrar a maneira adequada para transmitir minhas mensagens. Hoje me sentei e fiz. Sem enrolar.

 

A melhor maneira de sair da procrastinação é olhar para a raiz da questão e entender qual o real motivo de tudo isso. Sempre há um sabotador mental por trás, que se originou de alguma ferida emocional.

 

A boa notícia é que tudo isso é que trabalhamos e elaboramos no processo terapêutico. Quer me dar a mão? Eu posso te ajudar!

 

(Sobre o Controlador - que mencionei logo no início - penso em escrever um artigo dedicado inteiramente a ele. Quase todas as pessoas buscam controle sobre situações, sentimentos ou pessoas. Quer saber mais sobre este o assunto? Deixa seu like!)

 

Luciana Okazaki (Iskrépi; F-11) ex-moradora da República Cupido, é engenheira agrônoma vivendo seu propósito como Terapeuta Integrativa

Quer descobrir mais sobre a minha Jornada de Autoconhecimento? Veja outros insights sobre meu ano sabático, transição de carreira e como viver uma vida mais leve no meu Instagram @luciana.okazaki

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES