« Blog #ESALQUEANOS

Um sonho magnífico (Vavá; F66)

31/10/2017


0 0

Publicado no Jornal de Piracicaba (Editorial), 25/01/02 (dia da formatura), p. A-2

 

Um sonho magnífico

Prof. Evaristo Marzabal Neves

 

Neste 25 de Janeiro, com a formatura dos graduandos 2001, encerram-se as comemorações do Centenário da ESALQ, iniciadas em 25/01/01, justamente um ano atrás, com os formandos 2000. Ao longo de 2001, inúmeros eventos lembraram a Centenária Escola. E imaginar que tudo começou com um sonho, pouco mais de um século.

Agora, relaxe e sonhe, sonhe com o passado. No sonho, volte o relógio do tempo, lá pelos 1890, imaginando como seria o mundo e a pequena Piracicaba. Caia num sono profundo e sonhe.


Sonhar é bom, já que "a melhor maneira de ser feliz é acreditar na vida sem afastar-se dos sonhos, porque sem eles você continua vivendo, mas deixa de existir". Sonhe como um vencedor na vida. "Só vence quem ousa, quem acredita no impossível, quem determina objetivos e traça caminhos arrojados para atingi-los, e, se for preciso, gasta a vida inteira, tentando"


Sonhar em construir uma escola agrícola, que espalhasse para o Brasil o sonho de plantar, criar e conservar... a terra, o solo pátrio e alimentar o mundo.

Um embalo em quimeras? Louco? Utópico? ilusionista? Muitos, mas muitos mesmo, assim pensavam. Cá, não se precisa de educação agrícola, pois em se plantando, tudo dá. Mas o sonho se repetia, dia após dia, desenhando, no imaginário, um projeto de uma escola eterna que, com o grito do conhecimento, calasse e silenciasse, para sempre, os incrédulos da hora. Educação não tem hora


Sonho de uma escola perene, um projeto real e eterno. "Se teus projetos são para um ano, semeia o grão; se para 10 anos, plante uma árvore; se para 100 anos, instrua o povo", construindo escolas.


"Sonhamos e acordamos todos os dias sabendo que poderemos realizar muito. E, satisfeitos vamos dormir à noite, porque a cada dia descobrimos que nossos limites estão muito além do que imaginávamos de manhã. Porque acreditamos e, por acreditarmos, tentamos. E, porque tentamos, acertamos mais do que erramos".


Sonho de uma missão gloriosa, um objetivo a perseguir: sonhava que, no século 20, a semente regada lançaria rebentos, brotando "pátrios cavalheiros que odeiam a guerra e bem armados de sãos ideais", ganhariam a batalha da fome, da miséria e da desnutrição.


Navegare necesse. Navegar é preciso. Sonhar é preciso. O sonho continua, não muda, agita, revoluciona a mente. Na consciência, o anjinho bom diz: vá em frente e balbucia: continue sonhando e, plante uma frondosa árvore, variedade e espécie "Scientia agricola" e, silente, espere no que vai dar. Se não vingar, não frutificar, não se desespere, pois... se não houver frutos do conhecimento gerado, valeu a beleza das flores do ensinar.... Se não houver flores, valeu a sombra das folhas do saber...Se não houver folhas... valeu a intenção da semente educar.


Semente sonhada e inoculada de boa intenção. Solo preparado. Sem medo ou temores. Tudo pronto. Ah! Uma fatalidade. Que pena! Morre o semeador em 1898 sem poder dar a primeira rega, esperando... esperando... esperando a semente germinar.


Agora, ronda um pesadelo. The dream is over. O sonho se foi? Fugaz, desapareceu no etéreo? Não. Olha, quem surge no chão fértil. Morreu o jardineiro sonhador, mas a semente despertou, germinou, rompeu o solo, apareceu e despontou o ideal. "A semente que semeiais, outros colhem". Desapareceu o arquiteto. Morreu o sonhador. Vingou o ideal!


Querido Luiz de Queiroz! Que tal, 100 anos depois, ouvir da maior autoridade do Estado de São Paulo, Governador Alckmin, quando da transferência do Governo para a ESALQ (fato raro e exclusivo), em 02 e 03/06/2001, pronunciar, no centenário de sua escola que "a ESALQ é a melhor semente já plantada em terra paulista". Em qualquer tempo, daqui a 10, 20 anos ou mais, é sempre presente. “Tá vendo só Luiz de Queiroz! Valeu a intenção da semente e do semeador. À sua benção”.


Sinta, ainda, o que estão aprontando seus filhos da Eng. Agronômica e Economia Agroindustrial. Tiraram A no Provão 2001 ficando lá em cima, superando muitos. Quanto orgulho. É para dar razão ao Sr. Governador. Valeu, Luiz de Queiroz! Seu sonho foi realizado. A sua benção, mais uma vez.


-------------------------

Evaristo Marzabal Neves (Vavá; F66), é Prof. Titular no Depto. de Economia, Administração e Sociologia - ESALQ/USP e Sócio Mantenedor da ADEALQ.

0 0






Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção aberta à manifestação de esalqueanos são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ
Todos os direitos reservados © ADEALQ 2017 - Desenvolvido por Estratégia1
facebook twitter linkedin