Acontece ESALQ

Esalq celebra 117 anos com homenagens

06/06/2018 - Por
525 views 1 Gostei 0 Não gostei

Esalq celebra 117 anos com homenagens

BN_117.jpg

Inaugurada em 3 de junho de 1901, a partir do sonho de Luiz Vicente de Sousa Queiroz, a Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq/USP) realizou, nesta segunda-feira, 4/6, no Salão Nobre do Edifício Central, uma cerimônia alusiva aos seus 117 anos.

Uma das unidades fundadoras da Universidade de São Paulo (USP), a Esalq está listada, no ranking da US News Report, como uma das 5 melhores instituições do mundo em ensino superior na área de Ciências Agrárias.

A cerimônia comemorativa foi dividida em três partes, com homenagens a entidades de classe, governamentais, científicas e acadêmicas; celebrações aos registros históricos da instituição e reverência aos 40 anos da primeira apresentação ao público do Hino da Esalq, ocorrida durante a colação de grau da turma de 1978.

Antes dos atos comemorativos, foi anunciado com pesar o falecimento do professor Ibrahim Octávio Abrahão, ocorrido na segunda-feira, 4 de junho de 2018. O professor Ibrahum era docente aposentado do Departamento de Ciência do Solo e foi vice-diretor da Esalq na gestão do professor Aristeu Mendes Peixoto, entre 1978 e 1982.

Compuseram a mesa diretiva Vahan Agopyan e Antonio Carlos Hernandes, reitor e vice-reitor da USP, respectivamente, Luiz Gustavo Nussio (diretor da Esalq), Durval Dourado Neto (vice-diretor da Esalq), José Otavio Machado Menten (secretário Municipal do Meio Ambiente de Piracicaba), no ato representando o prefeito municipal Barjas Negri, Carlos Giberto Carlotti Junior (Pró-reitor de Pós-graduação da USP), Raul Machado Neto (presidente da Agência de Cooperação Nacional e Internacional da USP), Antonio Augusto Franco Garcia (diretor do Centro de Tecnologia da Informação “Luiz de Queiroz) e José Albertino Bendassolli (diretor do Cena).

Em seu discurso, o diretor da Esalq ressaltou que a instituição ganhou alçada internacional e para tanto necessita ser ousada para atender as demandas da sociedade. “Precisamos nos comunicar de forma cada vez mais assertiva de modo que as pessoas percebam a nossa presença na qualidade da vida cotidiana. Para tanto, seguimos preservando nossas tradições, mas com a certeza de que precisamos ser ousados pois foi com ousadia que conseguimos contribuir para que o Brasil se transformasse na principal fronteira agrícola em nível global”.

O reitor da USP externou sua emoção em comemorar com a Esalq o aniversário de 117 anos. “O passado da Esalq é glorioso, mas o presente é marcante e colocou a Esalq entre as melhores instituições de ensino no mundo. Respeitamos a tradição, honramos nossos princípios e seguimos avançando para manter essa Escola no patamar de excelência. O Brasil precisa de uma instituição focada no agronegócio, mas com embasamento científico e alta tecnologia”.

Em saudação às comemorações, o titular da cátedra Luiz de Queiroz, Roberto Rodrigues, enviou uma mensagem aos presentes, na qual saudou a contribuição da Escola para a construção de uma agricultura sustentável. “A Esalq forma gente competente e compromissada com o Brasil e com o seu povo. Se conseguimos fazer com que o País atingisse índices significativos de produção de alimentos e energia é porque aprendemos na Esalq”.

Ressaltando as tradições da Escola, a turma de 1967 do curso de Engenharia Agronômica fez uma entrega simbólica do livro "50 anos da agricultura tradicional ao agronegócio". A publicação foi entregue aos ingressantes de 2018 por José Amauri Dimarzio, engenheiro agrônomo representante dos formandos de 1967. "Com esse livro pretendemos despertar nos leitores a inspiração para uma carreira mais assertiva no universo agro", disse Dimarzio.

Permanência – Um dos atos da programação foi a assinatura do Programa de Permanência Universitária Valdomiro Shigueru Miyada. Iniciativa da Associação dos Ex-alunos da Esalq (Adealq), o projeto contempla 23 bolsas de estudo, destinadas a estudantes de graduação. O termo de compromisso foi assinado pelo presidente da Adealq, André Malzoni dos Santos Dias, pelo diretor da Esalq, Luiz Gustavo Nussio e pelo acadêmico Otávio dos Santos. “Esse projeto é resultado da idealização do professor Valdomiro, consolidado na gestão anterior e que agora se amplia a partir do programa de mantenedores da Associação. Com a contribuição de empresas e de pessoas físicas podemos consolidar esse programa de inclusão social e assim ajudar na permanência e garantir a formação desses estudantes”, declarou André Dias.

Hino – Quando subiu ao púlpito, o professor Zilmar Ziller Marcos, autor do hino da Esalq, contou à plateia bastidores da primeira apresentação do hino. “A composição estava pronta, mas eu só havia mostrado para minha esposa”. Então o professor Zilmar relatou que ensaiou os alunos para que  apresentassem o hino de surpresa durante a cerimônia de formatura da turma de 1978. Na letra do hino, a missão da Esalq e de seus egressos é cantada anunciando uma jornada vitoriosa. Ao final de sua fala, Zilmar brindou os presentes com a gravação original dos alunos entoando o hino da Escola no distante, mas inesquecível momento da colação de grau de 40 anos atrás.   

A cerimônia teve representação artística com a presença do Coral Luiz de Queiroz, regido por Cíntia Pinotti, que cantou Madrugada Piracicabana, de Frei Marcelino de Angatuba e, ao final, esteve acompanhada de Zilmar Ziller Marcos, para apresentar de forma emocionada, o hino da Esalq.

Texto: Caio Albuquerque (04/06/2018)

PUBLICIDADE
APOIADORES